Parceiros do blog - Clique e ajude a manter o blog no ar

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Grupo ligado ao MST deixa Floresta Nacional de Chapecó

(Foto: Isabel Malheiros/RBS TV)
O grupo que ocupava a Floresta Nacional de Chapecó deixou a área na tarde desta terça-feira (28) em Guatambu, no Oeste catarinense. As cerca de 500 pessoas que estavam no local foram para uma propriedade cedida por um agricultor, há 12 quilômetros da reserva. A informação foi confirmada pelo prefeito de Guatambu, Pedro Borsoi, e pela assessoria do MST. Não houve conflito durante o processo, informou a Polícia Militar.
Nesta terça vencia o prazo o acordo definido na Justiça para que as famílias, ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), deixassem a Floresta Nacional de Chapecó, que fica às margens da SC-283. Dividida entre os municípios de Chapecó e Guatambu, ela possui cerca de 1.600 hectares.
Desde a madrugada de 4 de junho centenas de pessoas ocupavam uma área de 800 hectares de reflorestamento de pinus. O grupo reivindica o espaço em Guatambu para agricultura familiar, mesmo após deixar o local, conforme a assessoria do MST em Chapecó.

Famílias deixaram Floresta Nacional de Chapecó ao longo do dia
(Foto: Isabel Malheiros/RBS TV)


A remoção do acampamento na Floresta iniciou na manhã desta terça-feira (28). Até as 16h30min algumas pessoas ainda estavam na área limpando o local, conforme a assessoria do MST.

De acordo com o prefeito de Guatambu, as famílias foram para outra área, no interior do município. “Foram para uma área pequena que um agricultor cedeu”, disse Borsoi.
Segundo a assessoria do MST, em reunião na manhã desta terça (28), o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) informou que deve agendar uma reunião entre os representantes das famílias que estavam acampadas em Guatambu, Governo de Santa Catarina e Ministério do Meio Ambiente para tentar resolver a situação.

Ato pela reforma agrária

Na segunda (27), um ato pela reforma agrária foi realizado pelas famílias. De acordo com a assessoria do MST em Chapecó, por volta das 14h, a SC-283, que passa pela Floresta, teve o trânsito interrompido por cerca de 20 minutos. A Polícia Militar e a Polícia Militar Rodoviária (PMRv) não confirmaram a interrupção ao G1.
Grupo realizou ato na tarde desta terça em Guatambu (Foto: Isabel Malheiros/RBS TV)

Grupo realizou ato na tarde desta terça em Guatambu
(Foto: Isabel Malheiros/RBS TV)




Depois, o grupo, junto com outros movimentos sociais e com representantes de assentamento do MST de outras regiões do estado, realizaram uma marcha no Centro de Guatambu e se reuniram no salão paroquial da cidade em um ato em defesa da reforma agrária. Um representante do Incra acompanhou a reunião.

Acordo

Um acordo entre todas as partes relacionadas à ocupação da Floresta Nacional de Chapecó, no Oeste catarinense, havia determinado que as famílias do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) deixassem a área em 20 dias. A decisão foi tomada em audiência na Justiça Federal de Chapecó na quarta-feira (8) e passou a contar a partir de quinta (9).

Nenhum comentário:

Postar um comentário