Parceiros do blog - Clique e ajude a manter o blog no ar

sábado, 21 de maio de 2016

Policial do Paraguai descarta relação de Banda Safira do RS com morte de jovem

Segundo subcomissário, gaiteiro deixou vítima a 50m do portão de parque. Em seguida, homem passou a segui-la; ainda não há identificação dele.
A polícia paraguaia descartou a participação da banda gaúcha Safira na morte da jovem Jessica Lovatto de Oliveira, 19 anos. O corpo da vítima foi encontrado no dia 8 de maio em um bueiro de esgoto em Santa Rita, no Paraguai, a cerca de 75 quilômetros de Foz do Iguaçu, no Paraná. "Os músicos não tem nada a ver com o assassinato da senhorita", disse o subcomissário de homicídios da polícia nacional paraguaia, Richard Vera, em entrevista ao G1.
O policial informou que a análise de imagens de câmeras mostram a jovem caminhando pelo parque e sendo acompanhada pelo gaiteiro da Safira, até 50 metros do portão do parque da Expo Santa Rita. Em seguida, ele volta para o ônibus do grupo. Pouco antes de sair, ela passa a ser seguida por um homem por volta das 4h15 - como mostra o relógio do vídeo. Três minutos depois, uma motocicleta passa a segui-la. "A 50 metros do lugar da saída, se observa que ela vai caminhando sozinha e, segundo depois, um motociclista com a mesma característica de quem tinha se aproximado dela do portão, passa rapidamente próximo de Jessica e, depois em outra imagem do portão seguinte, já não se vê passar a vítima e o motociclista," disse o subcomissário. "Sabemos absolutamente nada", lamenta Vera ao ser questionado sobre a identidade do suspeito. No entanto, ele destaca que o homem não usava capacete ou algo que cobrisse o rosto. Na sexta-feira (20), a polícia pretende divulgar um retrato-falado dele a partir de descrição de testemunhas. Os agentes também buscam outras imagens de câmeras. O empresário do grupo Safira, Nelson Maya, afirmou ao G1 nesta quinta-feira que um integrante da banda conversou com Jessica, mas ele garante que a jovem deixou a feira sozinha. "A menina falou com o gaiteiro, sim. Depois, entre 3h30 e 4h, ela foi embora e saiu do parque. O grupo Safira é inocente e as imagens de câmeras de segurança vão mostrar e provar isso. Ela saiu com vida do parque."
Reviravolta no caso ganhou repercussão nos jornais locais
A reviravolta do caso ganhou repercussão nos principais jornais paraguaios nesta quinta-feira. O diário ABC Color veiculou nesta quinta-feira que "novamente as investigações em torno do assassinato da jovem Jessica Lovatto de Oliveira tomam um rumo totalmente diferente do que se dirigia há dois dias. O caso segue nebuloso". De acordo com o jornal, novas imagens foram responsáveis por alterar a linha de investigação do caso. "No momento, os investigadores ainda não têm um panorama claro sobre o assassinato", sustenta a reportagem paraguaia. Segundo a reportagem, o novo vídeo mostra a jovem saindo da feira pelo acesso principal, acompanhada de dois homens que chegaram em uma moto. Inicialmente, foi preso um jovem paraguaio suspeito de envolvimento no crime. Ele foi solto após o MP analisar as imagens do circuito interno do parque, que mostrariam Jessica subindo no ônibus do grupo gaúcho, mas não indicariam o momento em que ela desce do veículo. Um tio de Jessica contou ao periódico que a jovem ligou para sua mãe por volta das 6h do dia 8 de maio, cerca de duas horas após ser vista com o músico da banda Safira. Ela foi encontrada sem vida por volta das 9h30 daquele dia.
Já o jornal Vanguardia informa que as autoridades da divisão de homicídios da polícia nacional paraguaia solicitaram novas imagens para prosseguir com as investigações do crime. "O primeiro resumo de vídeos a que tiveram acesso não inclui a totalidade das imagens da madrugada do dia 8 de maio", diz o texto publicado nesta quinta-feira. A jovem, que havia sido contratada para trabalhar em um stand da feira de agronegócios, foi encontrada morta na manhã do dia 8 de maio, um domingo. Segundo a investigação, ela morreu em decorrência de asfixia por estrangulamento e fratura cervical. De acordo com o MP paraguaio, a vítima também apresentava sinais de ter sido estuprada. O empresário do grupo Safira informa que a banda realizou três apresentações na Expo Santa Rita no sábado (7), domingo (8) e na segunda-feira (9), e que retornou ao Brasil na terça-feira (10). O empresário da banda também sustenta a versão de que os músicos ainda se apresentaram outras duas vezes na feira depois da morte da jovem. "Como o rapaz ia fazer uma coisa dessas e conseguir tocar mais duas vezes no mesmo lugar?", questiona Nelson Maya.
Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário