Parceiros do blog - Clique e ajude a manter o blog no ar

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Pelo menos 15 municípios gaúchos estão sob investigação do Ministério Público Eleitoral. Em todos eles, um dado em comum: há mais eleitores do que habitantes. O fenômeno, porém, vai muito além destas 15 localidades.
Ao cruzar os números do IBGE com os do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), ZH identificou 35 cidades em que o número de votantes é maior do que a população.


                                        
                                                                                                                                              Variação
Município           Eleitores     Habitantes                                        (em%)
Vespasiano Correia
2.390
1.956
22,2
Unistalda
2.911
2.435
19,6
Pinhal da Serra
2.498
2.110
18,4
Canudos do Vale
2.088
1.796
16,3
André da Rocha
1.413
1.224
15,4
Itati
2.914
2.565
13,6
Nicolau Vergueiro
1.945
1.715
13,4
Santa Cecília do Sul
1.871
1.651
13,3
Monte Belo do Sul
2.993
2.653
12,8
União da Serra
1.603
1.455
10,2
Forquetinha
2.703
2.469
9,5
Vista Alegre do Prata
1.703
1.565
8,8
Capão Bonito do Sul
1.884
1.742
8,2
Mato Castelhano
2.643
2.472
6,9
Santa Margarida do Sul
2.525
2.366
6,7
Bozano
2.301
2.189
5,1
Doutor Ricardo
2.125
2.023
5
Vila Lângaro
2.239
2.142
4,5
São José do Herval
2.258
2.179
3,6
Dilermando de Aguiar
3.160
3.054
3,5
São Vendelino
2.025
1.964
3,1
Vale Verde
3.364
3.268
2,9
São Valentim do Sul
2.233
2.170
2,9
Rolador
2.587
2.522
2,6
Pedras Altas
2.244
2.188
2,6
Ponte Preta
1.764
1.729
2
Bom Progresso
2.329
2.290
1,7
Floriano Peixoto
2.023
1.992
1,6
Santa Tereza
1.755
1.729
1,5
Monte Alegre dos Campos
3.145
3.107
1,2
Relvado
2.160
2.145
0,7
Putinga
4.135
4.114
0,5
Gentil
1.675
1.670
0,3
Barra Funda
2.382
2.378
0,2
São José do Inhacorá
2.186
2.184
0,1
Fontes: IBGE (estimativa populacional 2011) e Tribunal Regional Eleitoral


Esse fenômeno geralmente é observado em cidades pequenas, e a explicação está frequentemente aliada ao êxodo rural.
Pela Lei Eleitoral, o cidadão que troca de cidade não é obrigado a transferir o título. Ele precisa apenas manter um vínculo com a cidade de origem, seja profissional, familiar ou mesmo emocional.


FONTE: Zero hora
Postado por Coletiva FM

Nenhum comentário:

Postar um comentário